10 atitudes que devem ser evitadas em uma escola

Desde o início das atividades escolares o gestor precisa ter em mente algumas atitudes que deve evitar, principalmente no que diz respeito a investimento e planejamento, para o bom funcionamento e satisfação dos alunos.

Certas ações devem ser averiguadas com muita atenção, pois podem  decretar, de forma irreversível, a falência da escola.

Neste artigo, vamos abordar 10 atitudes que os gestores escolares devem evitar em sua escola profissionalizante.

 

1- Não realizar investimentos continuamente

Infelizmente muitos gestores só investem na escola profissionalizante no momento de abrir as portas, pois acreditam que somente o fato de fazer um bom investimento na compra de mobiliário, material educacional, equipamentos e na estrutura física será o suficiente para mantê-la funcionando por muito tempo.

Porém, à medida que o tempo passa existe sempre o desgaste natural da estrutura física e mobília, e gestor precisa estar atento para fazer as devidas substituições. Como também alguns equipamentos depois de algum tempo, precisam ser atualizados ou trocados.

O material educacional pode também entrar em processo de desatualização, e é essencial que o gestor priorize a atualização do material, pois essa falha poderá ser fatal para ao desempenho da escola profissionalizante.

 

2- Não investir em material didático de qualidade

Pensando em diminuir os custos, alguns gestores buscam materiais programáticos considerados inferiores e de conteúdo simplório, acreditando que o material não fará diferença no aprendizado e o aluno ficará satisfeito e não sentirá o déficit no ensino.

Além de disponibilizar um conteúdo programático de péssima qualidade, o que não é nada bom para a imagem da escola, poderá causar um grande desconforto dentro da instituição com os alunos reclamando do curso por se sentirem enganados e solicitem o cancelamento do curso e ainda o reembolso das mensalidades pagas. Isso com certeza fará com que a reputação da escola profissionalizante fique enfraquecida perante os consumidores e a concorrência, com a imagem que oferece cursos de baixa qualidade.

 

3- Não fazer planejamentos

O fato do gestor escolar não definir metas concretas comprometerá drasticamente para o desempenho da escola.

Com uma gestão escolar funcionando de forma estagnada e sem metas, é certo  que em médio prazo, a escola seja ultrapassada tanto metodologicamente, quanto estruturalmente pelos concorrentes, deixando de ser uma opção para quem deseja se qualificar.

Lembre-se: Escolas profissionalizantes que não planejam e que não atingem metas para evoluir estão fadadas a fecharem as portas, e não importa, quais ações sejam feitas para tentar recuperá-la, dificilmente surtirão efeito.

 

4- Misturar despesas pessoais com as da escola

Muitos gestores cometem este tipo de erro. Acreditam que não há problema em pagar a conta de energia elétrica da sua casa, junto com a conta de energia elétrica da escola.

Mesmo sendo uma atitude ocasional, ela pode se tornar rotineira e as contas particulares do gestor, começarem a ser pagas no mesmo sistema onde são contabilizados, por exemplo,  os títulos de pagamentos ao fornecedor dos livros educacionais.

Quando chegar o momento de fazer a análise financeira do total de gastos do mês, o gestor não saberá separar as contas da escola das despesas pessoais, prejudicando o faturamento escolar.

 

5- Montar uma equipe não capacitada

Não tendo a noção dos prejuízos que pode causar a escola, alguns gestores não se atentam na hora de contratar um colaborador sem as habilidades adequadas da função que irá exercer, principalmente se for um cargo de grande responsabilidade.

Um exemplo comum, contratar um auxiliar de escritório para exercer o cargo de auxiliar financeiro, ou seja, alguém que seria responsável por pequenas tarefas de escritório, ficará ao cargo de lançar e controlar receitas e despesas da escola.

Esse erro pode se agravar ainda mais, se o gestor não fornecer nenhum treinamento para a função, deixando o colaborador sem suporte e passível a erros.

 

6- Calcular incorretamente os valores dos cursos

Não é simples calcular um valor de um curso profissionalizante. O gestor tem que estar atento no momento de formatar o preço das aulas, pois se deve levar em conta despesas operacionais, salários, o tempo de ocupação da sala e a duração do curso.

Se o valor da mensalidade for muito baixo e não cobrir todos os gastos do aluno, a deficiência de lucratividade poderá levar a escola à falência em um curto prazo. Em contrapartida, se o gestor cobrar uma mensalidade muito alta e a cima da concorrência, fará com que ocorra um desinteresse dos potenciais alunos em fazer um curso profissionalizante.

Portanto, é essencial que o gestor fique atento e altere o valor da mensalidade de acordo com o aumento de gastos, inflação e impostos que tendem ter alterações durante o ano letivo.

 

 

7- Desestimular a comunicação interna

Existem gestores que não dão importância a comunicação interna entre os setores da escola profissionalizante. Perpetuar esse tipo de cultura negativa entre os funcionários pode afetar profundamente no relacionamento dos alunos com a escola.

Por exemplo, podem ocorrer transtornos com a demora na entrega de documentos solicitados por alunos, especulações sobre salários e promoções e , além da propagação de fofocas entre setores estimulando um tipo de rivalidade entre as equipes. Isso com certeza trarão grandes danos à escola.

Portanto, estimule a boa convivência entre os colaboradores, promovendo eventos de confraternização e atividades de integração periodicamente.


8- Não ter um sistema de gestão escolar

O controle financeiro, pedagógico e comercial não pode ser monitorado somente com planilhas eletrônicas ou documentos digitais aleatórios. Porém, é desta forma que muitos gestores escolares gerenciam suas escolas profissionalizantes.

Essa forma de gestão retrograda contribui para o descontrole financeiro e um gerenciamento passível de falhas e prejuízos, que podem levar ao encerramento de suas atividades.

Existem casos em que alguns gestores adquirem um sistema de gestão escolar, mas não se preocupam em alimentar os dados de forma correta e completa, ou ainda não acompanham as atualizações solicitadas pelo sistema para providenciar o treinamento especifico da sua equipe.]

 

9- Ser reticente a inovações e novas ideias

Muitos gestores, ainda, baseiam a sua administração em cima de conceitos ultrapassados, ideias arcaicas e métodos limitantes, isso é um fator negativo, pois eles limitam o crescimento dos negócios. Buscar inovações e novas ferramentas tecnológicas ajuda muito a monitorar as rotinas escolares e melhorar o desempenho da escola, consequentemente o faturamento.

As vezes essa escolha não acontece por falta de recursos para investimentos, mas sim porque o gestor acredita que domina todo o gerenciamento e não vê nenhuma necessidade de aperfeiçoar ou modernizar os sistemas. Um pensamento muito errado nos tempos atuais.

Aceite e estimule seus funcionários a pensarem novas ideias de gestão para a otimização e automação das rotinas escolares. Seja também proativo, e pesquise na internet ou busque uma consultoria sobre as inovações do mercado educacional, tanto em gestão quanto de aprendizagem.

 

10-Descontrole financeiro

O descontrole financeiro afeta negativamente qualquer empresa, no caso das escolas profissionalizantes muito mais, já que a principal renda vem da mensalidade dos alunos.

A inexperiência do gestor na área financeira pode levar à instituição a falência, pois desconhecer o faturamento e as despesas será o primeiro passo para a falência.

Essa falta de conhecimento sobre o caixa da escola, poderá ocasionar atrasos no pagamento de funcionários e fornecedores, dívidas com tributos e impostos, falta de investimentos e  pagamento de contas diversas.

Portanto, esteja sempre atento e acompanhando o controle financeiro, procure colocar no sistema todas as entradas e saídas de forma detalhada a fim de identificar rapidamente qualquer erro de gerenciamento.

 

Conclusão

Seguindo essas dicas sobre as 10 atitudes que devem ser evitadas em uma escola profissionalizante, o gestor terá mais tranquilidade e desempenho nas rotinas diárias.

Com toda a gestão escolar sob controle, chegou a hora de você saber por que ela é tão importante para a retenção de alunos.

 

Deixe uma resposta